] Jornal Correio Popular
Quarta-feira, 14 / 04 / 2021
JORNAL CORREIO POPULAR DE RONDôNIA - Fone: 69-3421-6853 - E-mail: redacao@correiopopular.com.br


ESTIAGEM
Rondônia registra quase três focos de incêndios por dia

Data da notícia: 2018-08-07 10:48:52
Foto: Assessoria/Divulgação
De acordo com o PrevFogo, em Rondônia, as pesquisas confirmam que a maioria dos incêndios é causada por ações humanas

Rondônia está entre os 15 estados do Brasil que mais apresentaram queimadas nos primeiros sete meses de 2018. A informação é do banco de dados do Programa Queimadas, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Entre janeiro e 20 de julho deste ano, a região somou 576 pontos de chamas. Isso significa que o estado registrou, em média, quase três focos de incêndio por dia.
Apesar disso, os números mostram leve melhora. Em comparação com o mesmo período de 2017, os pontos de chamas em Rondônia sofreram queda de 11,24%, já que, até 20 de julho do ano passado, o estado apontou 649 focos.
Porém, em âmbito nacional, o Inpe registrou 24.627 focos até o dia 20 do mês passado, índice 9,42% maior do que no mesmo período de 2017, que contabilizou 22.307. Mato Grosso, Tocantins e Maranhão seguem nas primeiras posições como os estados mais castigados pelo fogo. Juntos, somam mais de 42% de incêndios pelo país.
Os estados com mais focos de incêndio até 20 de julho de 2018 são Mato Grosso,Tocantins, Maranhão, Roraima,Pará, São Paulo, Piauí, Paraná, Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso do Sul, Bahia, Amazonas, Rondônia, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Ceará e Acre. Segundo órgãos responsáveis, a época de estiagem, que começou logo após o período de chuvas no Norte do país em meados de junho, facilita a propagação das chamas. Porém, na grande maioria, os incêndios são causados por ações humanas. Hélio Moreira, coordenador substituto do Centro Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais (PrevFogo) em Rondônia, do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), é um dos que confirmam a hipótese. ”Imaginávamos que esse período de seca fosse extenso, pois secou de uma vez. E é nessa época que as pessoas começam a queimar. Se juntarmos a seca forte com essa cultura errada de queimar, o número de incêndios consequente aumenta”, explicou. “Nós já levantamos pesquisas em que afirmam que os efeitos causados por incidentes florestais são bastante remotos em relação aos humanos. Ou seja, a maioria, então, é por ação humana”, pontua o coordenador.

Municípios
Porto Velho é campeã em focos de incêndio tanto no estado quanto no país. Neste ano, por exemplo, o município está na primeira posição do ranking nacional de cidades que mais queimam no Brasil, com 2,1% de focos.
No total de 576 pontos de chamas, segundo o satélite referência, 186 são apenas em Porto Velho. Isso representa pouco mais de 30% na quantidade total de incêndios pelo estado. Em seguida, vem Candeias do Jamari e Nova Mamoré, com mais de 5% de focos. Depois, aparece São Francisco do Guaporé e Cujubim, com 4,51% e 3,82%, respectivamente.


Fonte: Assessoria


Compartilhe com seus amigos:
 




www.correiopopular.com.br
é uma publicação pertencente à EMPRESA JORNALÍSTICA CP DE RONDÔNIA LTDA
2016 - Todos os direitos reservados
Contatos: redacao@correiopopular.net - comercial@correiopopular.com.br - cpredacao@uol.com.br
Telefone: 69-3421-6853.