FALE CONOSCO     |     INTRANET     |      QUEM SOMOS
 Conheça a revista PONTO M  
SIGA O CP       ANUNCIE AQUI

Boa tarde! Quarta-feira, 16 / 08 / 2017
SAÚDE PÚBLICA
Percentual de fumantes é reavaliado em Rondônia

Data da notícia: 2017-06-30 09:36:14
Foto: Assessoria/Divulgação
36 municípios assumiram a execução de programas de combate ao vício do tabagismo
(Da Redação) Em Rondônia, 36 municípios assumiram a execução de programas de combate ao vício do tabagismo, que origina diversas doenças, matando duzentos mil pessoas por ano no País e seis milhões no mundo, conforme dados do Instituto Nacional de Câncer (Inca).
São doenças crônicas não transmissíveis, entre elas o câncer, complicações pulmonares e cardiovasculares, lembrou a coordenadora estadual em controle do tabagismo na Secretaria Estadual de Saúde, Cremilda Queiroz.
Até o ano passado, 42 municípios inscreveram-se para fazer campanhas e diminuir o número de fumantes. O tabagismo ainda é um grave problema de saúde pública. Rondônia havia obtido redução de 17% para 10% entre 2011 e 2015. Cremilda Queiroz diz que esse resultado vem sendo agora reavaliado.
Marli Melo, 43, nascida em Rondonópolis (MT), também servidora pública, fuma desde menina. “Meu pai era agricultor e eu, curiosa, experimentei pela primeira vez o cigarro de palha que ele fumava”, contou.
Em 1986, quando a família se mudou para Porto Velho, ela já comprava cigarros de pacotes. “Parei de fumar durante a gravidez, voltei, mas não faço isso dentro de casa”, diz Marli, mãe de dois filhos de 16 e 20 anos.
O tabagismo apresenta um padrão evolutivo semelhante ao de doenças crônicas, podendo apresentar períodos de remissões e recidivas.
Estudos mostram que os fumantes tentam parar de fumar em média cinco vezes até conseguir parar definitivamente. “Eu fumo pouco, uns seis cigarros por dia, já tentei parar várias vezes”, relata Rubem Torrico, 65, casado, três filhos.
Buscando conformar-se, ele acredita que cada organismo reage de uma forma ao efeito do fumo. “Não é um vício pra morrer”, disse.
No interior de Rondônia, segundo Cremilda, pacientes com vontade de deixar o vício valiam-se até há pouco tempo dos Centros de Atenção Psicossocial (CAPs), mas os casos mais graves eram tratados em Porto Velho. Atualmente batem às portas da
Policlínica Oswaldo Cruz.
Dados apresentados em estudo do médico Leonardo Henrique Portes, da Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca/ Fundação Oswaldo Cruz, revelam: a maior prevalência de fumantes do sexo masculino é observada nos países de renda média alta (42,4%). Entre as mulheres, a prevalência de fumantes é mais elevada nos países de alta renda (17,5%).
O Brasil ainda apresenta elevado número de fumantes. O IBGE estima que a prevalência de usuários de produtos derivados do tabaco no País corresponda a 15% das pessoas de 18 anos ou mais de idade.

Onde está o vício
? Segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde), comparando-se com a África, Américas, Pacífico Ocidental, Europa, Mediterrâneo Oriental e Sudeste asiático, a Europa apresenta a maior prevalência de tabagistas (31%) e a África a menor (13,4%).
? Nas Américas, estima-se que 16,4% de sua população seja fumante.
? Em todas as regiões, a prevalência de fumantes do sexo masculino é maior, sendo que a maior disparidade ocorre no Pacífico Ocidental, onde o número de homens fumantes é cerca de 20 vezes maior que o das mulheres.
? A menor disparidade ocorre na região das Américas, onde a prevalência de fumantes entre os homens é de 22,8% e entre as mulheres corresponde a 10,4%. [Leonardo Portes, Fiocruz].


Fonte: Assessoria


Compartilhe esta notícia com seus amigos:





www.correiopopular.com.br
é uma publicação pertencente à EMPRESA JORNALÍSTICA CP DE RONDÔNIA LTDA
2016 - Todos os direitos reservados
Contatos: redacao@correiopopular.net - comercial@correiopopular.com.br - cpredacao@uol.com.br
Telefone: 69-3421-6853.